No Grunge Code

Tudo sobre o som de Seattle. Tudo sobre Pearl Jam, a trilha sonora da minha e de muitas vidas. Everybody loves us, everybody loves our town!

Sem pausa, obrigado!

Bandas americanas, elas se separam, mas eles não, eles conseguiram continuar juntos” – Chris Cornell
    

Há 24 anos atrás (e um dia), no Off Ramp Cafe, em Seattle, a banda Mookie Blaylock fazia seu primeiro show, com seus magricelas guitarristas, um baterista que não imaginava o que estava por vir, seu baixista apaixonado por basquete, e um vocalista extremamente tímido. E lá se foram 24 anos de muito talento, 24 anos de muitas músicas que ultrapassam qualquer limite que a linguagem possa impor, tantos anos de enorme carinho com os fãs, muitas e muitas turnês, centenas de performances de “Even Flow”, e como uma banda normal, muitos problemas, mas como disse Stone Gossard, a relação deles é como um estranho casamento, porém, um duradouro casamento.

Fico pensando, será que eles imaginavam que naquele dia chuvoso e sem graça de 22 de outubro de 1990, abrindo com a música “Release”, uma longa e bem sucedida carreira estava para começar? Bem, gosto de pensar e acredito que não, afinal é perceptível até os dias de hoje como eles são humildes e agradecidos em relação ao próprio trabalho e principalmente a nós, fãs, apaixonados, fãs apaixonados.

Setlist do primeiro show.

Fonte: pearljam

O Pearl Jam conseguiu o que poucas bandas americanas conseguiram, permanecer. Estiveram juntos nas piores fases, nas fases em que um ego engolia o outro, onde não se sabia até mesmo se eles eram bons o bastante para serem uma banda que dura, e faz shows, e ama o que faz. Passaram por onze mortes e três bateristas, e muitas, muitas dúvidas.

Agradeço a essa banda por ter se tornado a trilha sonora da minha vida, seja me animando com “Do The Evolution”, me amparando com “Leash” (afinal, “I am right by your side”), e fazendo com que eu me identifique com essa banda, como em “I Got ID” (o trocadilho não foi de propósito).

Enfim, obrigado Jeff por sempre ser crítico sobre o caminho que a banda está ou pode tomar, obrigado Mike pelo seu enorme carinho com os fãs que nunca vi igual, obrigado Stone pela sua ironia em relação à vida, obrigado Boom, pois sem você “Chloe Dancer/Crown Of Thorns” não seria como é, e obrigado Eddie, por suas letras (difícil escolher uma coisa só).

E que venham os 25 anos!

We all walk the long road…”

 

Anúncios

Um comentário em “Sem pausa, obrigado!

  1. Joao Vitor
    23 de outubro de 2014

    excelente texto !

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 23 de outubro de 2014 por em pearl jam e marcado , , , .
%d blogueiros gostam disto: